Remoção Dos Animais É Uma Questão De Saúde Pública, Afirma Secretaria de Saúde

Remoção Dos Animais É Uma Questão De Saúde Pública, Afirma Secretaria de Saúde

Share Button

A Prefeitura de Hortolândia, por meio da Secretaria de Saúde, informa que a remoção dos animais (cerca de 60 cães) que estão em uma área cercada no bairro Taquara Branca é uma questão de saúde pública. A Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) identificou que o local está contaminado. A área está sob monitoramento da Companhia, agência estadual responsável pelo controle, fiscalização, monitoramento e licenciamento de atividades geradoras de poluição.

Após inspeção da Cetesb, uma equipe do Departamento de Saúde Coletiva esteve nesta área, na quarta-feira (15/04). A Administração Municipal já entrou em contato com a representante da ONG (Organização Não Governamental) Cão Feliz, responsável pelos animais, a fim de estudar a melhor maneira de resolver a situação.

A direção do CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) participou, nesta sexta-feira (17/04), de uma reunião solicitada pela ONG, para tratar assuntos relacionados às demandas da entidade, inclusive castração de animais.

Todas as medidas adotadas pela Administração estarão de acordo com a legislação municipal aprovada em março, que cria o Conselho Municipal de Proteção aos Animais, informa os responsáveis pelo assunto dentro do poder público.

Parecer do Instituto Márcia Campos (Projeto Cao Feliz)

Segundo a responsável pela ONG, Márcia Campos, não existe nenhum processo no Fórum para a remoção dos animais do abrigo. Argumenta ainda, que para uma transferência dos animais, a ONG precisa de tempo para conseguir um novo local para abrigar os animais.

Também enfatiza que aguardam há muitos anos um parecer da prefeitura sobre a situação dos animais do abrigo e de muitos outros, que são frutos do abandono por parte de famílias que obtiveram o seu imóvel através do projeto federal “Minha Casa, Minha Vida”, desde 2010.

Sobre a reunião com o CCZ, da última sexta-feira (17/04), afirma que foi tão somente para tratar da parceria com o poder público com respeito à castração de animais, não sendo abordado o assunto da remoção dos animais do abrigo e qual a melhor maneira para que isso aconteça.

Leia mais detalhes sobre este caso

Centro de Controle de Zoonoses

A gerente do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Hortolândia, Diana Shirley Valério, afirma que na última reunião que tiveram com o Projeto Cão Feliz (17/04), o assunto do abrigo também foi abordado, além das questões envolvidas no tema da castração de animais.

A gerente ainda coloca que caso a contaminação seja confirmada, os animais terão que ser removidos do abrigo; no entanto, enfatiza que se dará um período para a ONG realocar os animais e como a própria Secretaria de Saúde colocou, a ONG é a responsável pela realização da remoção.

Durante um certo período, os animais estiveram usando a água da mina, contaminada; mas atualmente foi instalada uma rede de água potável, observa.

Também enfatiza que a afirmação sobre a eutanásia dos animais é falsa e que ninguém do CCZ e/ou de toda a administração pública fez esta colocação. Leia mais.

Imagem da matéria – cão que recepcionava a equipe que foi averiguar a situação do abrigo de animais no Taquara Branca – Hortolândia (21/04/2015).

A Redação

Por Uma Mídia Livre em Hortolândia.

Facebook Twitter YouTube 

Recomendado