PUC realiza evento sobre Compliance e Corrupção Corporativa

PUC realiza evento sobre Compliance e Corrupção Corporativa

Share Button

Na PUC-SP, advogado internacional fala sobre Compliance e Mitigação de Corrupção nas Empresas

O advogado internacional Barry Wolfe, diretor da Wolfe Associates (www.wolfe.com.br), realiza encontro em parceria com o grupo de pesquisa Gestão, Economia e Política da PUC São Paulo para discussão de temas pertinentes à conjuntura político-econômica do Brasil, como compliance e mitigação de corrupção organizacional em empresas privadas.

Com 20 anos de experiência em investigação de crimes de colarinho branco e na negociação de situações especiais, Barry Wolfe irá discorrer sobre sua teoria de ética corporativa e gestão de crises com base em modelos de Física Quântica, além de apresentar case studies usando a teoria de Buracos Negros para ilustrar os princípios da investigação de crime organizacional.

“Como investigador e consultor de gerenciamento de crises desenvolvi uma metodologia aplicando modelo criminológico para mapear perfis de grupos criminosos que operam dentro e fora das empresas”, diz Wolfe. “Estou muito honrado em expôr minhas teorias e métodos para um público acadêmico tão iminente como o da PUC”.

O evento ‘Compliance e Mitigação de Corrupção Organizacional – Teoria do Buraco Negro’ acontece em 26 de abril, às 16h, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Rua Monte Alegre 984 – Sala 117 A – São Paulo/SP).

A entrada é franca.

Sobre Barry Wolfe – Barry Wolfe é advogado internacional e Solicitor da Suprema Corte de Inglaterra e País de Gales. É formado em direito pela Edinburgh University, pós-graduado em direito econômico pela Yale Law School e mestre em direito internacional por Cambridge, Inglaterra. Como diretor da Wolfe Associates Anti-Corruption Advisers (www.wolfe.com.br) comandou dezenas de investigações de crimes no mercado corporativo e de apoio a políticas de compliance, atendendo a companhias no top-100 das maiores empresas do Brasil.

 

A Redação

Por Uma Mídia Livre em Hortolândia.

Facebook Twitter YouTube